Milagres

E enquanto eu empurro ela na balança de novo, e novamente, e mais uma vez, me vem à cabeça todas as mães que tiveram que se despedir dos seus filhos cedo demais. E em silêncio meu coração aperta.

De madrugada, quando o meu do meio decide que quatro da manhã é um bom horário para começar o dia, eu respiro fundo. Eu reviro o meu corpo em busca de disposição. E eu o faço pensando nelas. Nestas mães.

Nos longos fins de tarde, com uma criança chorando e escalando as minhas pernas enquanto eu corto cenouras em finas rodelinhas, eu procuro sorrir. Em homenagem à elas.

De manhã cedo, quando minha caçula se revolta mais uma vez contra a cadeirinha do carro, eu respiro. Respiro fundo. E penso nelas.

Quando o feijão queima, quando eu abro a porta e encontro a lancheira com a lição de casa em cima da mesa, quando o xixi vaza na roupa, quando me perguntam a mesma coisa pela décima vez, quando tudo parece ser um complô contra a forma que eu quero maternar. Quando nada sai do jeito que eu programei. Em todos estes momentos eu me esforço bravamente para lembrar delas. 

Todas estas mães que dariam cada pedacinho da alma para estar vivendo tudo isso. E que por motivos que ainda não conseguimos compreender, não tiveram esta chance.

Que presente é este que me é dado.
Que oportunidade é esta que tenho em minhas mãos.
De criar meus filhos. De viver com eles as manhã escuras, as frustrações, o caos, o cansaço, o choro, as brigas, as batalhas. 
E assim eu consigo lembrar que tudo não passa de uma grande benção.
Milagres.
Meus problemas nada mais são que milagres.
E por eles, eu sou grata.

Instagram: @a.maternidade
Veja também: @diariodeummotorhome